6 de março de 2017

A mãe perfeita

Mas afinal o que é ser perfeito?
Cada vez mais acho que este conceito não existe, sobretudo quando falamos de pessoas. Pode ser muito simpático, muito generoso, muito altruísta....mas ninguém é perfeito. E então no que toca à maternidade, esqueçam, não há perfeição possível. O que mais me custa ouvir é quando uma mãe critica a outra. Contra mim falo, que também não sou perfeita. Mas há palavras e frases que nos ferem. 
Há programas de amigos ou a dois em que eu não levo os meus filhos. Há festas de amigos (porque de família vão sempre comigo) em que opto por não levar a Inês, que ainda é mais pequena e tem os seus horários. E eu sei que a maior parte das pessoas não me compreende. Como é possível esta mãe deixar um dos filhos (ou os dois) no mimo dos avós, a fazer os seus horários, em vez de a meter no carro a fazer horas de viagem, ou a levá-la para restaurantes à hora da sesta ou a querer que ela esteja acordada até à meia-noite em casa de pessoas que não conhece?!?!?! Faço excepções? Faço! Mas para mim, excepção não é 1 ou 2 vezes por semana.....é só de vez em quando. 
Eu lá me vou habituando, a ver olhares de reprovação, a ouvir frases de alguma crítica.....mas o que até agora mais me custou ouvir, foi alguém dizer que por causa destas minhas opções, desta forma de eu ver a minha família, os meus filhos não fazem parte! Bolas, ouvir isto deixou-me mesmo triste, mais ainda porque foi dito por alguém de quem gosto muito. Eu posso falar frequentemente das desvantagens de ser mãe e de tudo o que engloba a maternidade, mas julgarem-me desta maneira deixou-me de rastos.Porque não há maior amor do que o de mãe. Para mim, não há!
E sim, eu vou continuar a ser imperfeita. Aliás, muito imperfeita.
Vou continuar a ir a festas sem os meus filhos. Vou querer ter momentos a dois (seja uma tarde ou um fim de semana....na loucura, uma semana). Vou deixar o Vicente invadir a minha cama a meio da noite. Vou deixar os meus filhos comerem porcarias (doseadas) ao fim de semana. Vou dar a última ronda aos dentes do Vicente e da Inês quando eles acabam de escová-los. Vou pegar na Inês ao colo sempre que ela chora e se encosta a mim. Vou deixar os meus filhos serem crianças e vou dar-lhes todo o meu amor (mesmo quando já não aguento ver legos e desenhos à frente).

Eu sou uma mãe imperfeita, mas se os meus filhos são felizes eu não me importo!


7 comentários:

  1. Os pais fazem o que julgam ser melhor para os filhos, à que respeitar mesmo que não se concorde com algo. Faz bem ter pequenos momentos a dois e se os avós não se queixam, mais ninguém tem o direito de interferir. Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu até suporto alguns comentários de pessoas próximas. "Podias ser mais assim...podias fazer desta forma....", mas dizerem que um filho não faz parte da nossa vida/família.....é muito forte :(
      O mais importante é as famílias serem felizes :)
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Anónimo3/07/2017

    Percebo o seu ponto de vista mas também percebo o comentário que lhe fizeram. As crianças sentem e sentem-se excluidas qd as deixamos para ir a qualquer lado sem elas. Não que não fiquem bem com os avós ou outras pessoas que lhes querem bem, mas preferem sempre ficar com os pais.
    Eu sou suspeita em opinar sobre esta matéria pq neste aspecto eu e o meu marido somos pais galinhas e levamos a nossa filha para todo o lado. Para nós este é o conceito de familia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E contra isso nada. Eu acho que cada casal deve fazer aquilo que acha melhor, para eles e, claro, para os filhos. Não julgo quem nunca deixa os filhos com os avós. Mas acredite, quem é mãe, não consegue ficar indiferente quando alguém lhe diz que o filho não pertence à família ou à sua vida. É um julgamento demasiado pesado e, na minha opinião, muito injusto, sobretudo de um amigo! Quem me conhece sabe que os meus filhos estão em primeiro, sempre. Acho que não é por não irem uma ou outra vez com os pais a um jantar de amigos, ou por não os levarmos a um ou outro evento que alguém nos pode julgar. Até porque os nossos fins de semana são completamente programados a pensar nos nossos filhos.
      E quem diz neste assunto, diz noutras coisas. Acho que julgar a educação dos outros pais nunca é boa ideia, pois cada família é diferente e tem os seus próprios hábitos e ritmos.
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Ninguém tem o direito de julgar seja quem for...
    Ouvir isso é realmente algo que deixa uma pessoa triste 🙁
    E quem vos conhece, realmente, e conhece os "Piquenos" sabe que eles são muito felizes e muito amados!
    Todos os casais, antes de serem Pais, já eram um casal e, como tal, merecem algum tempo só a dois ou com amigos ou como bem entenderem sem que ninguém se meta. Os Filhotes ficam sempre bem entregues e, não é por uma vez ou outra "não fazerem parte de um plano, de uma saída" que não são parte da vossa vida/família... vocês melhor do que ninguém sabem o que é melhor para eles.

    Não sou Mãe, mas estou prestes a ser e, sei que quero/queremos, ser como vocês...
    Sei que não falta, nem nunca faltará amor e tempo para os vossos filhotes.

    Ah, e todos somos perfeitos, com as nossas imperfeições ❤😘

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito importante: sermos iguais a nós próprios e não aquilo que os outros querem que sejamos. Vocês vão dar uns ótimos pais (mãe galinhaaaaaaaa....lol).
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Certo.
      Digo "como vocês" na parte em que se tivermos de ter os nossos momentos só a dois ou com amigos vamos ter... Pois temos a certeza que as nossas escolhas vão ser sempre em função e de forma a que os nossos filhos nunca saiam prejudicados. E serão sempre parte da nossa vida/família independentemente de estarem sempre presentes em tudo ou não. Iremos sempre fazer o que for melhor para eles 😊

      Espero que sim. Vamos fazer tudo para sermos uns ótimos pais.
      Mãe galinha?? Naaa. Só um bocadinho, talvez 😉😍
      Beijinhos 😘

      Eliminar