20 de maio de 2016

Wishlist Lowcost

Hoje em dia não é preciso gastar balúrdios para andar bem vestida ou na moda. Muitas vezes até basta dar uma olhadela para o que já temos e depois acrescentar uma ou outra peça nova. Eu já ando de olho em algumas peças mais em conta e sempre atenta às promoções, que nos ajudam a poupar qualquer coisinha.
Parece que na próxima semana vem chuva outra vez, mas pelo menos as botas e os casacões só saem do armário daqui a uns meses (assim espero mesmo!!!!).
Depois que venha o sol e os dias bons para aproveitá-los cada vez mais, de preferência ao ar livre.
Vestido ganga Lefties 17.00€
Fato de banho H&M 9.99€
Mala Lefties - 15.99€
Blusa branca Mango 17.99€
Blusa azul Sefra 9.99€ (promoção)
Alpergatas Stradivarius 19.99€
T-shirt ananás Stradivarius 12.95€
Vestido boho Sfera 11.95€ (promoção)

19 de maio de 2016

Ser mãe também é...

...deixar os miúdos com os avós para um jantar a dois, que momentos destes são bem necessários para a minha sanidade mental. Ir a um restaurante italiano MARAVILHOSO e deliciar-me com um macarrão com gambas. Pedir um jarro de sangria de espumante (1 garrafa inteirinha lá para dentro, aberta à nossa frente) e beber praticamente tudo a dois. Pernas a bambalear, cabeça tontinha e 3 horas no restaurante na conversa boa (e a ver se o estado em que fiquei me passava para conseguir ir direitinha até ao carro).
OMG, cada vez mais fraquinha (mas também na verdade, nunca fui muito de bebidas alcoólicas)!!!

13 de maio de 2016

As borboletas da Inês

Maravilhosos talões de oferta. Sempre que ofereço um presente peço o talão de oferta e quando é ao contrário também gosto de ter essa possibilidade. A peça recebida pode já existir em nossa casa, pode não servir, pode não ser ao nosso gosto. Pode haver várias razões para ter que fazer uma troca. Eu não me importo nada que as pessoas vão trocar alguma coisa que eu tenha oferecido por outra mais ao seu género e espero que o mesmo se passe do lado de lá.
Foi o que aconteceu com um dos presentes de batizado da Inês. Nesta alturas há sempre a tendência para os bebés / crianças receberem peças de ourivesaria, o que se for o caso de ter que trocar é mais complicado. Ofereceram uma bolsa para guardar o boletim de saúde e como a Inês já tem tive que ir trocar por outra coisa. Como não sou muito fã de porta-chupetas, rocas, caixinhas e outras coisas em prata, optei por comprar uns brincos para quando a Inês furar as orelhas. São de ouro e têm um sistema de fecho que não magoa. São umas borboletinhas muito amorosas.
Agora vem a questão: e quando furar as orelhas à Baby Girl? Adoro brincos e adoro ver nas raparigas, mas em bebés tão pequenos.................nunca pensei seriamente no assunto. Se por um lado me dizem que nesta altura é mais fácil, por outro acho ainda muito precoce.
Para já vão ficar na caixinha, à espera que um dia a Inês peça para usar brincos.
Mães de meninas, como fizeram?! 


11 de maio de 2016

Eu mimo os meus filhos

Esta coisa do mimo tem muito que se lhe diga. Começou logo quando o Baby Boy nasceu e ouvi algumas pessoas dizer "não dês muito colo que ele habitua-se e depois é uma chatice". E, passados poucos anos, houve alguém da família que associou o mimo a má educação: "que miúdo mimado, que não empresta os brinquedos a ninguém". 
Ora eu com os meus filhos, e como em tudo na minha vida, procuro sempre um equilíbrio. Não gosto de caminhar para os extremismos e acho que o fundamental é conhecer bem os meus filhos e agir com conhecimento e intuição. Gosto de ler várias teorias e livros de maternidade e infância, mas depois adapto o que absorvi dos textos à minha família, aos meus filhos e à nossa realidade. Porque somos todos diferentes e não nos podemos andar para aí a catalogar e a querer ser iguais a todos os outros, pois acredito que é na diferença que estão as nossas virtudes.
O mimo não é excepção, com conta, peso e medida. E se há momentos em que quero que eles percebam que é assim e não se fala mais nisso (como comer a sopa, lavar os dentes, não comprar doces com frequência, entre outras regras que temos em casa), também há espaço para muitos mimos. E quando eles estão doentes eu não meço a mimalhice que lhes dou. Já é tão mau eles estarem mais parados, com dores de cabeça ou barriga e tantas outras doenças que vão apanhando, que não consigo estar a impor muitas regras e ser muito exigente.
No fim de semana o Baby Boy esteve doente. Começou a vomitar sabe-se lá porquê e queixava-se da barriga e da cabeça. Esteve assim dois dias e ao terceiro já se notou uma melhoria bastante significativa. Nesses dias comeu menos, só queria gelatina, dormiu muito e pedia para ver os mesmos episódios do Mickey vezes sem fim. Não foi à escola e ficou com a vóvó, que o tratou com o maior amor e mimo do mundo. Como ele adora plasticina, comprei-lhe um kit para fazer modelagem e ele adorou (quem não gosta de receber um miminho quando está doente?!), mas só durante 5 minutos porque depois aterrou no sofá. Mas quando se sentiu um pouco melhor não parou mais de brincar com os moldes e colocou a família toda a fazer tartes e gelados de plasticina.
Claro que por ele já não ia mais à escola esta semana, passava os dias com a vóvó que lhe faz todas as vontades e estava horas a fio a ver bonecada. Mas como já está no seu perfeito estado normal e as regras e rotinas voltam a ter que ser cumpridas, ele percebeu que não havia ali muita margem para grandes fitas ou birras. 
Para mim, os mimos significam amor e nunca os deixo para trás quando os meus filhos mais precisam Y


3 de maio de 2016

O Batizado da Inês

Gostava de vos mostrar muitas fotografias giras do dia do batizado da Inês, mas como desta vez contratámos um fotógrafo deixámos essa tarefa com quem percebe à séria. Tirei algumas fotos à Baby Girl mesmo no final do dia, antes de a preparar para ir dormir, assim como uma ou outra a alguns apontamentos da decoração. O dia passou tão rápido e foi tão bom que nem me lembrei de ir registando alguns momentos. Limitei-me a vivê-los!
Apesar de alguns contratempos nas vésperas do batizado, o mais importante foi que tudo correu lindamente. A Inês estava muiiiiiito simples, mas super querida e mega gira (mãe babada a falar....e gostos não se discutem...eheheh!!!!). Não dormiu toda a manhã, mas esteve sempre de sorriso pronto. Aguentou a celebração toda acordada e bem disposta e só vos digo que foi uma cerimónia tão bonita como de emotiva. Não chorou com a água gelada que lhe caiu na cabeça e delirou com tanta criança junta, uma vez que o batizado foi celebrado na missa das crianças e a igreja estava cheia.
Depois seguimos para casa para um almoço em família. Estava muito sol, mas no nosso jardim corria um vento desagradável, pelo que tive que tirar tudo o que já estava montado e colocar dentro de casa. À tarde juntou-se mais família e foi muito bom passar o dia da Mãe e celebrar o batizado da Inês com pessoas de quem gostamos e que gostam de nós :)
Fazer festas em casa e preparar quase tudo dá muito trabalho, mas quando vejo as pessoas felizes esqueço todo o cansaço.


2 de maio de 2016

Dia da Mãe, de todas as Mães

Este ano, o Dia da Mãe foi celebrado em cheio. Como celebrámos o batizado da Baby Girl no mesmo dia juntei grande parte da família em casa, cruzando várias gerações e passando momentos com pessoas de quem gostamos. Mas isto foi em minha casa, infelizmente nem todas as mães podem dizer o mesmo, por diferentes motivos. Eu vi de perto uma mãe infeliz, a pedir auxílio porta a porta com os dois filhos, um deles com apenas 20 dias. Esta rapariga toca à campainha de minha casa há alguns anos. Nunca pediu nada em específico, nunca pediu dinheiro, diz sempre "se puder ajudar com qualquer coisa......". Sempre lhe dei alimentos e, mais recentemente umas roupa de bebé, pois ela estava grávida. Na minha rua há mais vizinhos a ajudar. E quando alguém dá dinheiro para um medicamento ou uma lata de leite.....a rapariga volta com o que comprou e a respetiva fatura. Diz ela que não vai ali enganar ninguém, só quer que não falte nada aos filhos. Não conheço muito mais da história dela, nem sei tão pouco se está a ser verdadeira, mas as palavras dela são tão sinceras que me tocam sempre o coração. Passou o início do dia da Mãe no hospital com o filho recém-nascido, mais uma crise de asma e ainda tão pequenino que é. Mas a falta de alimentos em casa é tão grande que tinha que andar na rua, porque o bebé tem que ter leite e a filha mais velha tem que comer.
Juntei umas peças de roupa que eram da Inês, uns pacotes de arroz, bolacha maria e leite e tentei confortá-la, só um bocadinho.
Depois entrei em casa e vejo a mesa cheia de bolos e fruta (um exagero até!), a minha filha feliz e saudável no meio de tantas pessoas que gostam dela, o meu filho em plena alegria, sem lhes faltar nada, e ainda uma família aos risos.........e não consegui deixar de pensar naquela mãe o resto do dia, de porta em porta, à espera de ter o que dar aos filhos ao jantar!
Espero que esta mãe, como muitas outras a passar pelo mesmo, consigam dar a volta às suas vidas, sozinhas ou com ajuda, mas que consigam proporcionar o essencial aos filhos e que os vejam crescer felizes.